Connect with us

Hi, what are you looking for?

Tecnologia

Como o WhatsApp mudou o jeito de vermos filmes e ouvirmos música

Estamos perdendo a capacidade de contemplar e apreciar o belo e o útil?

Cenas em que o capitão Kirk encontra a nave Enterprise pela primeira vez nos filmes de 1979 (acima) e de 2009 (Foto: Reprodução)
Cenas em que o capitão Kirk encontra a nave Enterprise pela primeira vez nos filmes de 1979 (acima) e de 2009 (Foto: Reprodução)
IA promete ocupar o lugar de muitos seres humanos
Tecnologia

IA: assistente realiza “trabalho de 700 funcionários” e choca web

Apagão de celulares levantou dúvidas nos EUA
Tecnologia

Apagão de celulares nos EUA vira dilema e recebe ‘explicação’

Como amante do cinema, gosto de observar nos filmes os valores e o estilo da sociedade da época em que foram feitos. Mesmo na ficção científica, eles retratam um suposto futuro seguindo os padrões de quando foram criados.

As plataformas de streaming guardam tesouros para ver a evolução disso ao longo do tempo. É interessante notar, nos seus primeiros filmes, James Bond, o espião mais tecnológico do mundo, usando telefones públicos, pois não havia nada parecido a um celular. Sem falar nos seus comportamentos, comuns então, mas reprováveis hoje.

Uma coisa que sempre me chama a atenção nesse exercício é o ritmo dos filmes. Os roteiros precisam refletir a velocidade do seu tempo. Por isso, assistir a um filme dos anos 1980 hoje pode ser uma experiência torturante para muitos. Não pela história ser ruim, mas porque algumas cenas podem parecer extremamente longas para um mundo em que WhatsApps e TikToks aceleram nossas vidas a um nível quase insuportável. Mesmo que não usemos esses produtos especificamente, o meio digital transformou todos nós.

Isso afeta não apenas a maneira como consumimos filmes, músicas e outros conteúdos, mas também a maneira como são produzidos. Roteiristas e compositores precisam fazer essas mudanças ou correm o risco de ficar sem público.

Um exemplo é a cena em que o capitão Kirk encontra pela primeira vez nos filmes a icônica nave Enterprise, na franquia “Star Trek”, algo muito importante para os fãs. No filme de 1979, o ator William Shatner, pôde fazer isso de maneira contemplativa em uma cena de quase cinco minutos (na foto, acima). Já na versão de 2009, Chris Pine tem menos de um minuto para fazer o mesmo de forma bem mais acelerada e intensa (clique nos links para assistir às cenas).

As músicas também sofrem com a “aceleração da vida”. Introduções melodiosas e solos instrumentais desaparecem para que o ouvinte chegue ao clímax logo. As faixas ficam limitadas a três minutos, para evitar que se passe para outra música antes de seu fim. Se isso acontece, os algoritmos podem entender que a música não é tão interessante, tocando-a menos daí em diante.

Os recursos digitais nos transformaram em pessoas ansiosas e podem prejudicar nossa compreensão. Não funcionamos no ritmo de computadores e smartphones e nosso cérebro precisa de tempo para absorver, processar e armazenar as informações.

Estamos perdendo a capacidade de contemplar e apreciar o belo e até o útil. Acelerar músicas para que acabem logo pode estar na moda, mas faz sentido?

A tecnologia nos torna mais produtivos: isso é inegável e bem-vindo. Mas não pode matar aquilo que nos diferencia das máquinas, que é nossa capacidade de olhar a natureza em seu tempo desacelerado e aprender algo assim.

Na sua opinião, como saber que estamos “passando do ponto” nessa “aceleração da vida”?

Para entender melhor esses riscos patrocinados pelas plataformas digitais, convido você a assistir ao vídeo da minha Pílula de Cultura Digital dessa semana.

Fale comigo: Você busca media training ou social media training? Precisa de ajuda para escrever posts e artigos ou gravar vídeos incríveis para sua carreira ou negócio aparecer bem nas redes sociais? Mande uma mensagem pra mim e vamos bater um papo! Venha aprender comigo a construir sua reputação!

Jornalista, LinkedIn Top Voice, mestre em tecnologia e consultor de transformação digital. Atuo no mundo digital desde os primórdios da internet, participando da criação do UOL, AOL Brasil e Abril Digital. Geek e corinthiano.

Advertisement

Recomendadas

Tecnologia

Chatbot no atendimento ao cliente pode cortar 700 empregados

Big Brother Brasil

Motorista de aplicativo não conseguiu reconhecer a visita na casa

Esporte

Astro da NBA teve atuação histórica diante do maior rival

Novelas

Mocinha esconderá o assassinato em um primeiro momento

Tecnologia

Empresa rejeitou a sugestão para que um relatório fosse organizado

Novelas

Novelas

Rapper levou o clima de amor da novela para a vida real

Novelas

Garoto terá conversa séria com José Inocêncio depois do que viu

Novelas

Rapper vai dar vida a um matador e promete muitas cenas agitadas

Novelas

Garoto ficará incomodado com o romance entre Mariana e José Inocêncio

Novelas

Atriz fez texto emocionante para se despedir da personagem

Veja outras relacionadas

Tecnologia

Marca se coloca como uma das mais criativas e inovadoras

Tecnologia

Cidades do interior vêm contando com o auxílio de recursos tecnológicos

Tecnologia

Aumento da segurança é o principal objetivo do momento

Tecnologia

Ideia é implantar um centro de engenharia da empresa na cidade

Tecnologia

Duas explosões solares foram especuladas como as causas do problema

Tecnologia

Desafio foi lançado no ano passado e aguçou a curiosidade de especialistas

Tecnologia

Fabricante divulgou um guia com dicas preciosas para evitar problemas

Tecnologia

Projeções de venda da Nvidia impulsionaram a fé na IA generativa