Connect with us

Hi, what are you looking for?

Saúde

Média móvel de mortes por covid-19 mais do que dobra no estado do Rio

media-movel-de-mortes-por-covid-19-mais-do-que-dobra-no-estado-do-rio

O estado do Rio de Janeiro chegou ontem (10) à maior média móvel de mortes por covid-19 desde 24 de junho, com mais de 160 vítimas por dia em um período de sete dias, segundo o painel MonitoraCovid-19, atualizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O patamar representa um aumento de mais de 150% em 14 dias e preocupa especialistas ouvidos pela Agência Brasil, que temem um novo pico da pandemia. 

A alta da média de óbitos confirmados entre 27 de dezembro e 10 de janeiro ocorreu em nível nacional e reflete o desrespeito às medidas de prevenção à covid-19 em uma série de eventos, segundo o pesquisador Diego Xavier, integrante do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT) da Fiocruz. O crescimento médio dessa taxa no Brasil, no entanto, foi de cerca de 84%, enquanto no Rio de Janeiro chegou a 154%. Outros estados como Ceará (264%) e Amazonas (239%) tiveram aumentos ainda mais expressivos em termos percentuais.

“Esse aumento indica que a gente falhou. A gente teve alguns eventos bastante capilarizados que fizeram com que a doença se espalhasse de forma bastante acelerada, como a eleição, as compras de final de ano, Natal, Ano Novo, as férias. As pessoas se movimentaram muito nesse fim de ano, e, à medida que se movimentaram, o vírus se espalhou”, afirma o pesquisador, que lembra que o cenário havia sido previsto por uma nota técnica publicada pela Fiocruz no mês passado. “Se a gente for pensar no Natal, é uma festa muito capilarizada. Todo mundo comemora o Natal em família. E a maioria das famílias têm pessoas do grupo de risco, como os idosos”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A média móvel de mortes é calculada por meio da soma dos óbitos confirmados nos últimos sete dias, dividida por sete. O indicador é considerado importante para reduzir as oscilações diárias de notificações e se aproximar de uma tendência da pandemia. Além disso, mortes são consideradas pelos especialistas menos sujeitas à subnotificação do que as infecções, já que são mais investigadas. As contaminações, por sua vez, muitas vezes não são testadas ou se dão de forma assintomática.

Restrições

Xavier recomenda que novas medidas restritivas sejam adotadas para conter a subida da curva de óbitos no estado, mas alerta que a fiscalização é essencial para que elas tenham efeito. “A gente entende que a população está cansada, mas a gente pede que se faça essa reflexão. Se a gente está cansado dentro de casa, imagine o profissional de saúde que está em uma UTI [Unidade de Terapia Intensiva]”, pede ele, que defende medidas compartilhadas entre municípios que façam parte da mesma região de saúde, como o Rio e a Baixada Fluminense. “O vírus não respeita limites administrativos nem respeita decretos. Os decretos são para as pessoas. E as pessoas só vão respeitar decretos se eles forem fiscalizados. A gente precisa, sim, de medidas mais restritivas e impopulares para conseguir diminuir o contágio e pensar no fechamento de setores econômicos que não são essenciais”. 

Apesar do aprendizado dos profissionais de saúde na assistência aos pacientes com covid-19 em quase um ano de pandemia, o pesquisador acredita que a capacidade de resposta a um novo pico também teria algumas desvantagens em comparação com abril e maio do ano passado. “Agora, tem um agravante, porque a gente tinha uma mobilização da população na primeira onda de contágio, tinha recursos extras de UTI e equipamentos nos hospitais de campanha e equipes de saúde mais motivadas”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Assim como Diego Xavier, a pesquisadora Chrystina Barros, do Centro de Estudos em Gestão de Serviços de Saúde da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), alerta que os dados ainda não refletem todo o resultado das aglomerações registradas no fim ano. “Nosso verão convida as pessoas à rua, e as pessoas começam a subestimar o poder do vírus, achando que, por estarem ao sol, em ambiente aberto, não vão pegar a doença. Na verdade, o que se tem é uma combinação de fatores. O ambiente realmente vai ser mais seguro quanto mais ventilado for,  mas, se o comportamento das pessoas não for adequado, joga-se tudo por água abaixo. E é o que tem acontecido no Rio”, afirma ela. “O Rio de Janeiro chegou em um tal ponto que pode ser, sim, que a gente passe por um tempo pior do que abril e maio”.

Para evitar o agravamento da pandemia, Chrystina Barros reforça a recomendação de mais medidas restritivas feita no início de dezembro pelo Grupo de Trabalho Multidisciplinar para o Enfrentamento da Covid-19, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), como a ampliação do número de leitos e da testagem, a suspensão de eventos e a limitação do horário de funcionamento dos estabelecimentos, com fiscalização rigorosa. “Em dezembro, lançamos uma nota indicando medidas mais restritivas. Quanto mais o tempo passa, mais restritivas elas precisam”, afirma a pesquisadora. “A gente tem um problema sério que é o transporte público, sem dúvida nenhuma. Mas não é porque o ônibus está lotado que a gente tem que ter tolerância com os bares lotados”.

A elevação da média móvel de mortes, na avaliação dela, é o indicador mais grave entre outros dados, como a taxa de de transmissão, calculada pelo GT da UFRJ. O índice chegou a 1,27 para o estado do Rio de Janeiro com base em dados do final de dezembro, o que significa que cada 100 casos contagiavam mais 127. 

Advertisement. Scroll to continue reading.

“É fato que o Rio de Janeiro vem consistentemente aumentando o número de óbitos, mas eles são apenas a ponta e o indicador mais grave”.   

Procurada pela Agência Brasil, a Prefeitura do Rio de Janeiro afirmou que pretende abrir 343 leitos e já disponibilizou 150 deles no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla e no Hospital Municipal Souza Aguiar. O poder municipal acrescentou que pretende aumentar a testagem, com ao menos 450 mil pessoas testadas inicialmente, em um processo que contará com o aplicativo Rio Covid-19 para a autonotificação e o agendamento do teste, caso seja indicado.

Na semana passada, o prefeito, Eduardo Paes, anunciou que pretende adotar restrições de forma localizada, de acordo com o risco de contágio de cada região administrativa da cidade. No boletim divulgado na semana passada, 18 regiões tinham situação de risco considerada alta, 15, moderada, e nenhuma foi considerada de risco muito alto.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Já o governo do estado não respondeu até o fechamento dessa reportagem. Segundo dados informados ontem pela Secretaria de Estado de Saúde, desde o dia 4 de dezembro foram realizados 24.419 testes de RT-PCR nas quatro unidades abertas pelo estado para agendamento por meio de um aplicativo para celular: o Hospital Estadual Alberto Torres e a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Colubandê, em São Gonçalo; o Hospital Regional do Médio Paraíba Dra. Zilda Arns, em Volta Redonda; e a UPA Campo Grande II, na zona oeste da capital.

A secretaria estadual também anunciou na semana passada a intenção de iniciar nesta semana a regulação única dos leitos de covid-19 no Sistema Único de Saúde. Outra previsão é a abertura do Hospital Modular de Nova Iguaçu, que deve ocorrer ainda neste mês, com 150 leitos. 

(Agência Brasil)

Advertisement. Scroll to continue reading.

Você também vai gostar disso

Brasil

A Câmara dos Deputados aprovou, na noite desta quarta-feira (11), por 339 votos a 123, o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC)...

Brasil

O presidente da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), decidiu antecipar para a noite desta quarta-feira (11) o início da votação da Proposta de Emenda...

Esporte

O meia dinamarquês Christian Eriksen gravou um vídeo comovente para tranquilizar uma menina de nove anos que será submetida à mesma operação que ele...

Economia

O litro de gasolina vendido pela Petrobras nas refinarias às distribuidoras terá aumento médio de R$ 0,09 a partir de quinta-feira (12). A informação foi divulgada pela estatal...

Esporte

O atacante brasileiro Richarlison Andrade, de 24 anos, foi o centro das atenções na volta aos treinos no Everton, time da cidade de Liverpool...

Saúde

A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES) anunciou que o projeto Corona-Ômica-RJ, de vigilância genômica, fará o sequenciamento genômico do...

Saúde

A prefeitura de São Paulo promove no próximo fim de semana um movimento para vacinar quem tem entre 18 e 21 anos durante 34 horas...

Economia

Empresas que reduzirem emissões de gases poluentes ou aumentarem iniciativas sociais, mostrando expansão de seu desempenho ambiental, social e de governança (ASG), terão juros reduzidos...

Advertisement