Connect with us

Hi, what are you looking for?

Famosos

Um bom amigo para os pequenos

um-bom-amigo-para-os-pequenos

A convivência com cachorros ajuda a combater a ansiedade nas crianças, um benefício que as acompanha até a idade adulta

Todas as tardes na casa de Jessica Shyba, em Nova York, o cachorro Theo sobe na cama à espera dos dois fi lhos mais novos da família, Beau e Evangeline. É hora da soneca e todos vão dormir agarradinhos, uma rotina que rende fotos dignas de cartões postais registradas no Instagram e blog da mãe (mommasgonecity.com). Além de arrancar suspiros, a relação de cumplicidade ajuda na saúde emocional dos pequenos.

Um estudo realizado nos Estados Unidos e publicado no ano passado mostra que crianças que têm cachorro em casa demonstram menores níveis de ansiedade social e de separação, o que reduz timidez, problemas nas interações pessoais e medos, como o de ficar sozinho. Entre as 643 crianças de 4 a 10 anos avaliadas, 58% conviviam com cachorros e, entre elas, apenas 12% foram diagnosticadas com sintomas de estresse e ansiedade – contra 21% das que não tinham um pet em casa. 
Os abraços no cãozinho também desenvolvem empatia, autoestima e estimulam a comunicação verbal e não verbal. Tudo isso dá suporte emocional e auxilia a criança em seus relacionamentos. Claro que o contato com animais é bom em qualquer fase da vida, mas, segundo os pesquisadores, um cachorro de estimação pode ajudar a prevenir transtornos comuns na idade adulta e que muitas vezes são tratados tardiamente. 

Longe da turma da soneca em Nova York, na casa da paulistana Joana Santana os cachorros e bebês se juntam na hora do almoço, quando Manuel, de 2 anos, entrega parte do seu prato para Mussarela, Milanesa e Pipoca, os terriers da família. “Ele abraça, beija e recebe lambidas em retorno. Não dá para garantir que seja só por esse contato, mas o fato é que ele é um bebê mais tranquilo do que a média, menos ansioso e sem medo de situações diferentes”, conta. Para Joana, que sempre teve animais de estimação, a convivência desde cedo desenvolve responsabilidade e jogo de cintura. Também fazem parte do núcleo a recém-nascida Antônia e mais dois gatos.
Mais que parceiros de corridas e brincadeiras, os cachorros e até gatos da família podem fazer o papel de “confidentes” para as crianças, apesar de não falarem a mesma língua. Entrevistados que tinham entre 7 e 8 anos apontaram seus pets entre os seus principais relacionamentos em uma pesquisa realizada pela Universidade de Warwick, no Reino Unido, e os citaram principalmente como fonte de conforto e confiança. “Não imaginava que ter um bichinho fosse tão maravilhosos e influenciador na vida dos meus fi lhos. Theo continua nos ensinando sobre amor, paciência e compaixão”, conta Jessica em seus relatos, que já foram publicados em um livro. 
É importante lembrar que animais não são pelúcias, requerem cuidado e supervisão em casa. Mas, se bem adaptados à rotina, podem ajudar a criar pessoas melhores e mais felizes por meio de sonecas, lambidas e abraços.
 

Advertisement

Recomendas

Famosos

A atriz pornô Stormy Daniels já fez mais de 100 filmes

Curiosidades

Bilionários como dono do Facebook investem em bunkers para se proteger de apocalipse

Esporte

Palmeiras derrotado pelo Atlético Paranaense em Barueri

Esporte

Um novo amanhecer de glória para o Esporte Clube Bahia

Música

Datas de shows de Bruno Mars causam confusão e viram caso de polícia

Últimas

Tudo Sobre

O talento de Bruno Mars, inspirado no deus Marte

Netflix

As complexidades da vida em "Limites", um filme que vai além do convencional!

Esporte

Tite e Flamengo estão muito próximos de um vexame histórico

Cinema

David Corenswet vai assumir o papel principal de Superman

Bombando

A cantora Flora Matos causou revolta nas redes sociais ao comentar sobre as enchentes que devastaram o Rio Grande do Sul, resultando em 90...

Especial para você

Advertisement