Connect with us

Hi, what are you looking for?

Famosos

Henrique e Diego, os sertanejos acabaram de conquistar o Brasil!

henrique-e-diego,-os-sertanejos-acabaram-de-conquistar-o-brasil!

Donos do hit Suíte 14, que gravaram com MC Guimê, os dois tiram a galera do chão nos mais de 18 espetáculos que fazem por mês em todos os cantos do país

Com seis anos de carreira, Henrique e Diego, ambos de Campo Grande (MS),
já descobriram o gostinho do sucesso. 
O maior hit da dupla, Suíte 14, tem participação de MC
Guimê, toca direto na balada e todo mundo pira. “Por causa desta música,
começamos a fazer shows no país inteiro inteiro”, conta Henrique, que na
verdade se chama Luiz Henrique Teixeira, e tem 31 anos. Diego, 29, foi batizado
como Diego Barros Silva.

Compositores,
cantores e instrumentistas, os gatos têm três CDs e dois DVDs e fazem em média
18 shows por mês.
Henrique cursou
três anos de Direito e Diego chegou a entrar na mesma curso. Mas para ambos a
música falou mais alto. Eles se jogaram na carreira, apresentando-se em
barzinhos. Isso até se tornarem mais conhecidos por músicas como Top de Verão,
Zuar e Beber e Festa Boa, gravada com Gusttavo Lima.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

TITITI – Como começaram a cantar juntos?

Henrique – Durante
uns dois anos participei de uma banda de baile junto com um primo do Diego. Um
dia, ele substituiu um músico que faltou e ficou por lá também. Depois formamos
a dupla para nos apresentarmos nos barzinhos.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

E o interesse pela música, rolou como para cada um de vocês?

Henrique – Comecei na época da escola. Lá, fui criando coragem de soltar a voz e
comecei a cantar e a tocar violão.

Diego – Venho de uma família de músicos, meu avô é maestro. E
desde muito novo comecei a cantar e a tocar alguns instrumentos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Algum show foi memorável, o mais bacana ou mais maluco da carreira?

Henrique – Um show inesquecível para mim foi o da gravação do
nosso segundo DVD, Tempo Certo – Ao Vivo
em Campo Grande.
Vivenciei a criação de cada música, o desenvolvimento até
a gente cantar no palco. E me lembro
como se fosse hoje. Está muito claro ainda na minha memória.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Diego – O segundo DVD foi muito legal, bem emocionante. Mas
o primeiro, Henrique & Diego, pra mim foi especial, porque veio num momento
que a gente mais precisava mostrar a nossa cara para o público.

 

Qual a maior loucura que alguma fã fez por vocês?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Henrique – Tem um fã que tatuou as iniciais do meu nome no
braço dele com os dizeres “amor pra vida inteira”. E na costela ele escreveu “H
eternamente”. O que mais me marca é isso dos fãs se tatuarem e viajarem para
ver os shows.

Diego – Tatuagem é uma coisa bem pessoal, né? Geralmente
quem faz é porque tem um significado muito importante para a pessoa, e você ser
esse significado… Não tem loucura melhor no mundo, comove.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Têm alguma tatuagem?

Henrique – Tenho três, em homenagem a minha mãe que faleceu. Acredito que me trazem
energias boas. Às vezes, quando tô um pouco pra baixo, aí eu olho ou passo a
mão.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Saíram e saem com fãs?

Diego – Tem
aquela fã mesmo que adora você e seu trabalho. E outro tipo de fã que vai no
seu show porque é divertido, ou porque acha o cantor bonito e interessante…
Aí, já rolou e pode rolar alguma coisa.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

O que fazem para se divertir?

Henrique – Gostaríamos muito de ir pra fazenda pescar. Mas por
falta de tempo ficamos mais no videogame, vendo filmes em casa ou no cinema e
indo a restaurantes. E a gente se diverte.

Diego – Ah, e jogamos futebol, também.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Passaram por alguma grande dificuldade?

Diego – Você quer saber se passamos fome, sede, vontades?
Sim! (Risos). História triste todo
mundo tem pra contar. As pessoas precisam pegar os exemplos de superação e
levar para a vida.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Henrique – No começo da carreira, a gente dependia totalmente
do dinheiro que ganhava em shows. Não tínhamos empresário, nem estrutura e, às
vezes, não apareciam apresentações. Então, muitas vezes não pagamos o aluguel e
fomos despejados. Moramos de favor. Algumas vezes, a gente não tinha como
voltar pra casa e aí dormia na rua, dentro do carro.

 

Vamos falar de amor… Como está
o coração?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Diego – Ambos temos namoradas. Mas a gente não gosta de
expor as meninas, então preferimos mudar de assunto.

 

Mas pensam em se casar?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Henrique – Sim! A gente trabalha na noite, com a música, nesse
mundo muito louco. Mas quando o show termina voltamos pra a nossa casa e
levamos uma vida bem normal. Então a gente pensa em ter filhos, em casar, em
entrar na igreja e aquela coisa toda.

 

Como é a relação com a família?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Diego – A gente viaja dois, três meses e aí tira uns dias
de folga pra ficar com a família.

Henrique – Pra mim é bem difícil falar sobre isso. Perdi minha
família muito cedo: minha irmã, meu pai e depois minha mãe. Fui ficando
sozinho. Os fãs viraram a minha família! Acho que tio, tia, primo é tudo
parente, família é pai, mãe e irmãos. Ou sua esposa e filhos… Então, minha
meta é construir minha família.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Como foi gravar com o MC Guimê?

Henrique – Divertido demais. Suíte 14 tem malícia, mas não é
vulgar, explícita. Tinha conhecido o Guimê em São Paulo, aí falei com nosso
empresário. E foi tudo assim, falamos na terça e na quarta e a gravação do DVD já
foi no domingo.

Diego – Rolou uma coisa meio surreal, porque era uma música
que ninguém conhecia, mas a energia foi tão boa e na hora que ele entrou no
palco, a galera enlouqueceu.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Ainda sentem um friozinho na barriga antes do show ou já se acostumaram?

Henrique – O frio na barriga é de ansiedade. Quando termina
uma frase de cada música, eu fico todo arrepiado, parece que tem alguém
assoprando a minha nuca, é um trem doido.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Diego –  O dia que você
subir no palco e não tiver o frio na barriga é porque não há mais tesão e
acabou a vontade de cantar.

 

Como lidam com a fama?

Advertisement. Scroll to continue reading.

Diego – Ser famoso é gostoso demais… Sair na rua e a
pessoa pedir pra tirar uma foto com você é o sonho de qualquer um que pega um
violão e começa a cantar com o desejo de se tornar artista.

Henrique – A melhor parte da carreira de um cantor é quando
ele é reconhecido. Estamos vivendo isso agora!

Advertisement. Scroll to continue reading.

Você também vai gostar disso

Televisão

A jornalista Poliana Abritta, que apresenta o Fantástico, compartilhou um desabafo após a morte do seu pai, José Martins Ferreira, que morrei de leucemia...

Famosos

A estudante de moda Sasha Meneghel casou com o cantor João Figueiredo, com quem namorava desde abril de 2019. O casal ficou noivo em fevereiro...

Famosos

A jornalista, que atualmente comanda um programa na TV Band, vai ganhar também um programa na BandFM e está de mudança para São Paulo

Famosos

Influenciadora revelou em um vídeo publicado nas redes sociais que vai tentar refazer o casamento com Arthur Aguiar

Famosos

Ex-mulher de Carlos Alberto de Nóbrega revelou que a depressão é uma luta silenciosa e muitas vezes incompreendida por quem não sofre

Famosos

O marido da atriz Glória Pires recebeu alta de hospital onde se internou para tratar da covid em Brasília.

Famosos

Marina Ruy Barbosa desembarcou em São Paulo com um disfarce, após voltar de viagem ao exterior com o novo affair Guilherme Mussi.

Famosos

O ator Tony Ramos recebeu a primeira dose da vacina contra a covid neste sábado (27) em um posto de vacinação no Rio de...

Advertisement