Connect with us

Hi, what are you looking for?

Famosos

A magia da oralidade

a-magia-da-oralidade

Quem conta histórias faz um bem danado à alma de quem se converte em plena escuta. Que o diga a atriz Ana Luisa Lacombe. Em livro, ela resgata as belezas desse ofício milenar

Ouvir uma narrativa bem contada é um deleite em qualquer idade. Ainda mais quando nos atravessa por todos os poros. Especialista nessa arte há 14 anos, a atriz carioca Ana Luisa Lacombe lança Quanta História Numa História – Relato das Experiências de uma Contadora de Histórias (ed. É Realizações, R$ 39,90). A obra, acompanhada da versão em audiobook, aborda temas relacionados ao ofício, tais como gêneros narrativos, estudo da história, recursos pessoais (voz, corpo, respiração), além de experiências que marcaram a trajetória da artista. Falamos com ela para que destaque alguns de seus mais saborosos “causos”.

De que elementos você se vale para tocar plateias de todas as idades? 
Nos espetáculos narrativos uso os recursos do teatro, mas nas narrações simples apenas conto e toco meu ukelele ou violão para acompanhar as canções que uso para alinhavar as histórias. Acredito no poder das palavras e estudo bastante a trama. Assim, com o domínio da narrativa, consigo levar todos comigo na “viagem”.

O que as histórias podem fazer por nós em qualquer tempo e lugar? 
Elas nos abastecem de mundo simbólico, o que nos ajuda a lidar com o real. Trazem metáforas sobre as situações da vida levando a uma existência mais sensível. Através do mundo sombrio, muitas vezes apresentado nas histórias, adquirimos recursos para lidar com essas questões quando elas surgirem em nossa vida. Além disso, podemos nos conectar com nosso próprio lado sombrio, lidando com ele de forma mais saudável e integrada.
De qual passagem você jamais se esquecerá? 
Certa vez, na Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), crianças com paralisia cerebral foram se soltando, participando espontaneamente, fazendo comentários e até sonoplastia (batidas na porta, cavalo, campainha etc.). As mais apáticas começaram a sorrir e se manifestar. Alguns, que não conseguiam falar, demonstravam seu entusiasmo rindo, balançando-se e tentando se expressar através do corpo. Percebi que incluir crianças com dificuldades motoras e verbais nas histórias era uma maneira de torná-las presentes e atuantes.
ANA LUISA LACOMBE 

Advertisement. Scroll to continue reading.

Você também vai gostar disso

Televisão

A jornalista Poliana Abritta, que apresenta o Fantástico, compartilhou um desabafo após a morte do seu pai, José Martins Ferreira, que morrei de leucemia...

Famosos

A estudante de moda Sasha Meneghel casou com o cantor João Figueiredo, com quem namorava desde abril de 2019. O casal ficou noivo em fevereiro...

Famosos

A jornalista, que atualmente comanda um programa na TV Band, vai ganhar também um programa na BandFM e está de mudança para São Paulo

Famosos

Influenciadora revelou em um vídeo publicado nas redes sociais que vai tentar refazer o casamento com Arthur Aguiar

Famosos

Ex-mulher de Carlos Alberto de Nóbrega revelou que a depressão é uma luta silenciosa e muitas vezes incompreendida por quem não sofre

Famosos

O marido da atriz Glória Pires recebeu alta de hospital onde se internou para tratar da covid em Brasília.

Famosos

Marina Ruy Barbosa desembarcou em São Paulo com um disfarce, após voltar de viagem ao exterior com o novo affair Guilherme Mussi.

Famosos

O ator Tony Ramos recebeu a primeira dose da vacina contra a covid neste sábado (27) em um posto de vacinação no Rio de...

Advertisement