Connect with us

Hi, what are you looking for?

Economia

Vendas do comércio no Rio variam do otimismo ao pessimismo

vendas-do-comercio-no-rio-variam-do-otimismo-ao-pessimismo

As vendas de Natal no Mercadão de Madureira, um dos mais populares da cidade do Rio de Janeiro, têm sido muito boas, contrariando as expectativas, segundo informou hoje (24) o diretor de marketing do estabelecimento, Marcelo Durval. “As vendas surpreenderam a gente no mês de novembro e continuaram em dezembro. O mercado ficou bem cheio de consumidores, como há muito tempo a gente não via. Foi muito bom”. 

Durval disse, entretanto, que o movimento registrado em novembro não deu para recuperar todas as perdas do período em que as lojas estiveram fechadas, por força da pandemia do novo coronavírus (covid-19), mas “foi um alento muito bom para todos os lojistas do Mercadão de Madureira”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A estimativa é que as vendas deste final de ano serão maiores em até 6% em relação ao ano passado. Cosméticos e bebidas têm sido os presentes mais procurados pelos consumidores, que adquirem também artigos para a confecção de artesanato para produção de presentes e futuros negócios, entre os quais chocolate e peças para bijuterias.

Saara

O presidente do Polo Saara, que reúne o comércio popular do centro da capital fluminense, Eduardo Blumberg, disse que as vendas de hoje (24) para o Natal foram melhores que o esperado, embora seja um dia de meio expediente.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Apesar de não terem fechado ainda os números, Blumberg estimou que as perdas em comparação a 2019 deverão ser, no máximo, de 5%. Brinquedos e produtos para o lar, como cama, mesa e banho, estão vendendo muito, disse.

Shoppings

Os shoppings Nova América, Boulevard, Botafogo Praia, Madureira e Nova Iguaçu, registraram aumento nas vendas em relação às semanas anteriores. A expectativa é fechar as vendas com redução entre 3% e 5%, em relação a 2019.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O diretor de marketing da rede que administra os shoppings, Diego Marcondes, informou que o segundo semestre é tradicionalmente mais forte para o setor. “Nossa aposta é que os consumidores ajustem seus orçamentos para priorizar quem vão presentear neste Natal e invistam mais para agradar aquela pessoa especial, aumentando o ticket médio da data”, disse. Dentre os itens mais procurados, estão calçados, vestuário, brinquedos, perfumaria, artigos de beleza, bijuteria e telefonia.

CDL Rio

O Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL Rio), ao contrário, se mostra pessimista quanto ao movimento do comércio de rua no final deste ano. “Nós não temos números ainda, mas o nosso feeling [percepção] é negativo”, disse o presidente da entidade, Aldo Gonçalves.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ele disse que o movimento nas vendas neste Natal da pandemia do novo coronavírus não está alcançando os resultados de anos anteriores. Segundo Gonçalves, isso decorre por causa do desemprego. “As pessoas não podem comprar, não podem consumir. Isso está afetando muito”, disse, acrescentando que, com o desemprego, houve redução do poder aquisitivo da população. “As pessoas estão gastando menos e isso está afetando negativamente o comércio”. As vendas do Natal serão negativas, avaliou.

Supermercados

A Associação dos Supermercados do Estado do Rio de Janeiro (Asserj) espera aumento de 5% nas vendas para o Natal e o Ano-Novo, em comparação ao ano passado. A expectativa é de aumento de 40% na busca por aves natalinas, 30% para pão de rabanada, e 20% para o tender. Apesar de muitas marcas serem importadas, os supermercadistas esperam incremento da procura por azeite em torno de 17%. A venda de panetones deve crescer 15%, de frutas em geral, 14%, e do bacalhau, 9,40%.

Advertisement. Scroll to continue reading.

No setor de bebidas, a aposta é na expansão da venda de gins e outros destilados em torno de 45%, seguidos pelos vinhos com 36%, destacando os tipos nacionais, que tendem a ter sua busca incrementada em 15%.

O presidente da Asserj, Fabio Queiroz, avaliou que as famílias vão usar o alimento para compensar o ano que foi bastante difícil em razão da pandemia. “Vão reduzir quantidades para não abrir mão do que desejam. Com o dólar alto, produtos nacionais e de mercados mais próximos ganham protagonismo. Terão menos vinhos da Europa e mais do Brasil e da América do Sul”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Recomendadas

Famosos

Ator de Travessia compartilhou momento nos stories na sexta (25)

Música

Cantor usou as redes sociais para confirmar sua turnê em 2023

Famosos

Pentacampeão e comentarista tocou no assunto no podcast ‘Um assado para’

Famosos

Esposa do apresentador Felipe Andreoli abriu o coração nas redes sociais

Televisão

Isabela Camargo não conseguiu se segurar em entrada ao vivo no "Em Pauta"

Cinema

Irene Cara era atriz e cantora vencedora do Oscar por hits como o do filme Flashdance

Especial para você

Televisão

Lifetime Christmas Movies traz histórias inspiradoras, que mesclam romance e comédia, além de toda a magia do Natal

Famosos

Apresentadora mandou mensagem pelas redes sociais explicando caso

Música

Evento acontece no sábado, 15 de outubro, na Arena das Dunas

Atualidades

Empreendimento será inaugurado no Shopping Parque Cidade

Esporte

A equipe rubro-negra foi a 30 pontos e assumiu provisoriamente o quinto lugar, a quatro pontos do Bahia, último time no G4. Os pernambucanos,...

Esporte

O Fluminense saiu na frente do Fortaleza pelas quartas de final da Copa do Brasil. Nesta quinta-feira (28), o Tricolor carioca superou o Leão...

Esporte

O São Paulo abriu vantagem sobre o América-MG pelas quartas de final da Copa do Brasil. Nesta quinta-feira (28), o Tricolor venceu o primeiro...

Economia

Parte das transferências cambiais para o exterior, que ainda não tinham sido adaptadas às normas da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE),...

Advertisement