atualidades   / Coronavírus

Fiocruz aponta manutenção de queda no número de casos de covid-19

Porém, segundo boletim, quatro regiões do país estão em zona de risco

Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro Publicado sexta 23 outubro, 2020

Porém, segundo boletim, quatro regiões do país estão em zona de risco
Dados do boletim Infogripe da Fiocruz ainda mostram zonas de risco apesa da queda nos números - Divulgação
Gostou dessa? Clica aqui

O novo Boletim InfoGripe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado hoje (23), indica que os casos notificados de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) e de covid-19 no país mantêm sinal de queda, embora em ritmo mais lento.

No entanto, segundo a Fiocruz, todas as regiões brasileiras ainda encontram-se na zona de risco e com ocorrências semanais muito altas, exceto a região Sul, que apresenta incidência menor. Entre os resultados positivos para vírus respiratórios, cerca 97,7% são em consequência do novo coronavírus.

De acordo com o estudo, 18 das 27 capitais apresentam sinal de estabilidade ou crescimento do número de casos na tendência de longo prazo. Destas, sete apresentam sinal de crescimento moderado (probabilidade maior que 75%) ou forte (probabilidade maior que 95%) na tendência de longo prazo.

Os dados de Florianópolis, João Pessoa, Macapá  e Salvador apresentam sinal forte de crescimento no longo prazo. Em Florianópolis e Macapá, observa-se esse sinal nas últimas quatro semanas. João Pessoa e Salvador completam três semanas consecutivas com sinal de crescimento na tendência de longo prazo.

Nas capitais Aracaju, Fortaleza e São Luís, verifica-se sinal moderado de crescimento para a tendência de longo prazo, acompanhado de estabilização na tendência de curto prazo em Fortaleza e São Luís, e sinal forte de crescimento na tendência de curto prazo em Aracaju.

“Já em Manaus, a tendência de longo prazo aponta sinal de estabilidade, com a tendência de curto prazo indicando queda. No entanto, a estimativa de casos recentes ainda se encontra acima do patamar de estabilidade registrado após o período de queda. É recomendável adoção de cautela e reavaliação nas próximas semanas, para avaliar se haverá reversão da tendência de crescimento que vinha se mantendo desde a segunda semana de agosto”, disse, em nota, o coordenador do InfoGripe, Marcelo Gomes.

Em Palmas, embora a tendência de longo prazo se mantenha com sinal moderado de queda, na tendência de curto prazo verifica-se sinal moderado de crescimento. Belém retomou sinal de estabilidade e a curva de casos indica oscilação lenta em torno de valor estável.

Segundo a Fiocruz, Campo Grande registra sinal de estabilização na tendência de curto prazo após duas semanas consecutivas com sinal de crescimento, sendo que a tendência de queda foi interrompida há cerca de quatro semanas. Com isso, a incidência estimada ainda se mantém acima dos 10 casos semanais por 100 mil habitantes, o que é considerado elevado. São Paulo manteve o sinal de estabilização, reforçando o indicativo de interrupção da tendência de queda.

No total, já foram reportados no ano 511.859 casos de SRAG, sendo 280.476 (54,8%) com resultado laboratorial positivo para algum vírus respiratório, 157.551 (30,8%) negativos, e cerca de 42.558 (8,3%) estão aguardando resultado laboratorial. Entre os resultados positivos, 0,4% foram de Influenza A; 0,2% Influenza B; 0,4% vírus sincicial respiratório (VSR); e 97,7% Sars-CoV-2 (covid-19).

Último acesso: 26 Nov 2020 - 15:31:31 (1053562).